Quem Somos

O apl audiovisual

O Arranjo Produtivo Local do Setor Audiovisual visa implantar o desenvolvimento do setor no Rio Grande do Sul de forma integrada, qualificando e ampliando a produção, a difusão e a comercialização de obras audiovisuais de diferentes formatos, capacitando as empresas para atender a novas demandas do mercado interno e externo. Para isso pretende planejar, coordenar e incentivar a realização de ações integradas de cooperação entre os agentes da cadeia produtiva, a partir de estudos e pesquisas, visando a um melhor desempenho na produtividade e competitividade das empresas para que atuem de maneira mais qualificada no mercado.

Na organização da proposta do APL, há o entendimento da necessidade de ações que tenham resultados na melhor qualificação das empresas do setor, vislumbrando o entendimento da obra audiovisual como um produto e o aprimoramento de visão empresarial voltada para a gestão e para o mercado, assim, pretende-se ampliar a difusão e a comercialização de seus produtos. A ideia de um APL do Setor Audiovisual pressupõe um diagnóstico da cadeia produtiva para a proposição de ações integradas que venham a melhorar o desempenho na área de comercialização.

Em 14 de Novembro de 2012 a Fundacine RS assinou convênio com Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI) e o Governo do Estado do Rio Grande do Sul para apoiar a implantação do Arranjo Produtivo Local do setor audiovisual.
Sendo assim em Dezembro de 2012 o APL Audiovisual começou a organizar as primeiras ações cooperativas visando o desenvolvimento do setor e deste então desenvolvou importantes atividades de capacitação e de oportunidades para as empresas sendo: Realização de 3 edições do Sul Audiovisual Market, Plano de Desenvolvimento, Palestras e Workshops, organização de delegações para o Rio Content Market entre outras.

Visão
Implementar o desenvolvimento do setor audiovisual no Rio Grande do Sul de forma integrada, qualificando e ampliando a produção, a difusão e a comercialização de obras audiovisuais de diferentes formatos, capacitando as empresas para atender a novas demandas do mercado interno e externo.

Missão
Planejar, coordenar e incentivar a realização de ações integradas de cooperação entre os agentes da cadeia produtiva, a partir de estudos e pesquisas, visando a um melhor desempenho na produtividade e competitividade das empresas para que atuem de maneira mais qualificada no mercado.

Resultados esperados
Os principais resultados que se espera alcançar através deste APL são:

• Estimular o empreendedorismo, a inovação e a pesquisa para melhorar o desempenho das empresas.
• Buscar eficiência comercial e algum grau de sustentabilidade, reduzindo a dependência do setor das verbas públicas.
• Ampliar o fomento à atividade audiovisual, visando a melhor circulação dos produtos.
• Enriquecer a vida cultural dos habitantes do RS, ampliando o acesso às obras audiovisuais de conteúdo feitas no Rio Grande do Sul.

Entidade Gestora: FUNDACINE RS
Por seu histórico na realização de projetos e ações para o desenvolvimento do setor audiovisual no RS, a Fundação Cinema RS – FUNDACINE será a instituição gestora do Arranjo Produtivo Local do Setor Audiovisual RS – APL/RS, respondendo pela mobilização, e contratação de recursos técnicos e humanos, pela coordenação e execução das atividades e projetos cooperados necessários à organização do APL para o seu desenvolvimento, de seu território e sua população.

Criada em 1998 com a missão de trabalhar pelo desenvolvimento do cinema e do
audiovisual do Rio Grande do Sul, a Fundação Cinema RS – FUNDACINE é uma instituição privada, sem fins lucrativos, com atuação sistemática em ações estratégicas voltadas para qualificar e fortalecer o setor.

A FUNDACINE atua na integração e qualificação dos agentes do setor audiovisual e áreas afins, através de projetos voltados para estruturar as condições necessárias ao fortalecimento da produção e da circulação do audiovisual gaúcho, contribuindo para consolidar a relevância cultural e econômica do setor, visando o seu crescimento sustentável.

Tendo em vista o reconhecimento do audiovisual como área estratégica para a geração de emprego e renda, com contribuição importante nos processos de inclusão social.

www.fundacine.org.br

gover
nança

GOVERNANÇA

Por Governança a capacidade de comando ou coordenação que certos agentes (empresas, instituições, ou mesmo um agente coordenador) exercem sobre as inter-relações produtivas, comerciais, tecnológicas, de cooperação e outras, influenciando decisivamente o desenvolvimento do arranjo local.
Uma boa relação de Governança em um APL leva-o a ganhos econômicos inerentes da cooperação, estabelecendo assim um ambiente de eficiência coletiva e competitiva das empresas. Coordenação e cooperação levam a uma maior eficiência produtiva, traduzindo-se em menores custos, mais vendas e maiores rendas geradas e apropriadas localmente.

A constituição de uma Governança em um APL busca agregar todos os atores locais na busca pelo desenvolvimento regional. Espera-se que a Governança protagonize estratégias econômicas e empresariais de estímulo e de elaboração de projetos que contribuam ao aumento do volume de negócios, valorização e agregação de valor aos produtos, posicionamento de mercado, desenvolvimento tecnológico, adequação e melhoria ambiental, qualidade e produtividade das empresas e, por fim, progressos no desenvolvimento econômico e social dos arranjos.

Para estabelecer a governança desta iniciativa, a FUNDACINE conta com o reconhecimento e apoio dos agentes do setor, mantendo interlocução permanente com as entidades de classe e os órgãos públicos direta ou indiretamente ligados à atividade.

Composição da Governança do APL:

Aletéia Selonk  – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS
Daniela Israel – Sindicato da Indústria Audiovisual do RS – SIAV RS
Gisele Hiltl SIAV – Sindicato da Indústria Audiovisual do RS – SIAV RS
Liege Nardi  – Secretaria da Cultura, através do Instituto Estadual de Cinema – SEDAC/IECINE
Pedro Guindani – Associação Profissional dos Técnicos Cinematográficos do RS – APTC ABD/RS

Cris Reque – Modus Produtora
Eduardo Christofoli –  Colateral Filmes
Flávia Matzenbacher – Primeiro Corte
Gustavo Spolidoro – GusGus
Ramiro Azevedo – Box Brazil

Diretoria Executiva FUNDACINE RS:
Presidente: Luiz Alberto Rodrigues
Vice – Presidente: Luiz Alberto Cassol
Vice – Presidente: Leo Sassen

Equipe de Gestão:
Juliane Fossati
Michele Mastalir
Débora Palhares

Abrangência

O APL terá abrangência na Região Metropolitana de Porto Alegre, tendo em vista que nela verifica-se a maior concentração de empresas do setor. Entretanto, considerando as características da atividade audiovisual, suas ações devem gerar efeitos em outras regiões, inclusive estimulando iniciativas semelhantes.

A Região do Corede metropolitano compreende os municípios de: Alvorada, Canoas, Gravataí, Novo Hamburgo, Porto Alegre, São Leopoldo e Viamão. Também fazem deste APL empresas dos municípios de Caxias do Sul, Pelotas e Santa Maria.

O que é
um APL

Arranjo Produtivo Local é uma aglomeração de empresas e instituições, localizadas em mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantêm vínculos de interação, articulação, cooperação comércio, tecnologias e aprendizagem entre si e com outras instituições locais, tais como: esferas de governo, associações, universidades, centros tecnológicos, sindicatos, instituições de crédito, ensino e pesquisa, geradores de externalidades econômicas positivas, eficiência coletiva e de um ambiente favorável ao desenvolvimento econômico e social.

O Projeto APLs é um dos projetos que integram o Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais, sob a coordenação da Secretria de Desenvolvimento que por sua vez compõe a Política Estadual da Economia da Cooperação.

O Projeto em realização no ano de 2018 – ESCRITRIO DE NEGOCIOS DO APL AUDIOVISUAL compreende uma série de propostas em sinergia e coesas com a realidade local e as estratégias de expansão comercial, irão beneficiar as empresas do arranjo de forma direta e no curto e médio prazo. Melhorando e incrementando as ações voltadas a comercialização e a rentabilização das empresas.

Objetivos
Este Projeto tem por objetivo desenvolver os APLs, gerando ganhos econômicos através da cooperação entre empresas, produtores, cooperativas, instituições de ensino e tecnologia, instituições de crédito e fomento e instituições de serviços de apoio à produção; melhorar a coordenação, a disponibilidade de serviços às empresas e projetos cooperados aumentando a eficiência econômica coletiva para gerar mais trabalho, valor agregado e aumento da renda, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Sul.

Algumas Vantagens
• Aprendizado coletivo;
• Redução de custos;
• Estímulo ao empreendedorismo;
• Troca de informações;
• Aumento da competitividade;
• Eficiência coletiva;

Principais Características
• Especialização Produtiva;
• Território definido;
• Cooperação e interação;
• Sistema de Governança;

SOBRE O PROGRAMA DOS APLS

O Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais (APLs) é uma política pública de Estado para estimular e apoiar a auto-organização produtiva de aglomerações setoriais e para promover o desenvolvimento dos territórios. Por meio da cooperação entre empresas, produtores, comunidades e instituições públicas e privadas busca-se ganhos econômicos que aumentem a eficiência produtiva e a renda de empresas, produtores e trabalhadores, refletindo no desenvolvimento da sociedade. O APL é um espaço de cooperação econômica onde toda a comunidade participa  na construção dos objetivos e rumos de desenvolvimento. O programa conta com o Projeto Arranjos Produtivos Locais e o Projeto Extensão Produtiva e Inovação.

Com o Projeto APLs, o programa objetiva fomentar a governança e a capacidade técnica das comunidades dos arranjos produtivos e de setores e comunidades priorizadas pelo Estado a estimularem seus fatores endógenos que ampliam sua capacidade de agregação de valor, geração e apropriação local da renda. A cooperação entre instituições públicas e privadas e a coordenação de ações transversais são tidas como determinantes para geração de externalidades econômicas locais.

Com o Projeto Extensão Produtiva e Inovação, o programa implanta Núcleos regionais de Extensionistas em parceria prioritária com universidades públicas e comunitárias para apoiar diretamente pequenos e médios empreendimentos dos APLs e das cadeias produtivas priorizadas pelas regiões. Ao mesmo tempo, aprimora nas empresas a cultura do investimento e a busca por inovação e conhecimentos junto a universidades, centros tecnológicos  e de pesquisa, assessoria e capacitação, além de melhorar a capacidade dessas instituições em atender as reais necessidades das empresas.

Por intermédio do Núcleo Estadual de Ações Transversais, o programa alcança um envolvimento de diversos órgãos e instituições na priorização e deliberação de ações focadas nos APLs.

Legislação

As empresas para se associarem ao APL Audiovisual devem, prioritariamente, ter sua sede ou área de atuação na Região Metropolitana de Porto Alegre e, obrigatoriamente, possuir os CNAEs de atuação relacionadas a cadeia produtiva do audiovisual.

As atividades da cadeia produtiva do audiovisual, que formam o Arranjo, correspondem ao segmento seção “J” – INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, com o enquadramento nas seguintes divisões:

Divisão 59: Atividades Cinematográficas, Produção de vídeos e de Programas de Edição de música;

Grupo 591 – Atividades Cinematográficas, Produção de Vídeos e de programas de Televisão, nas classes:
5911–1 Atividade de Produção Cinematográfica, de Vídeos e de Programas de Televisão; com suas subclasses:
5911-1/01 Estúdios Cinematográficos;
5911-1/02 Produção de Filmes para Publicidade;
5911-1/99 Atividades de Produção Cinematográfica, de Vídeos e de Programas de Especificadas Anteriormente.

5912-0 Atividades de Pós- Produção Cinematográfica de Vídeos e de Programas de Televisão; com suas subclasses:
5912-0/01 Serviços de Dublagem;
5912-0/02 Serviços de Mixagem Sonora em Produção Audiovisual;
5912-0/99 Atividades de Pós-Produção Cinematográfica, de Vídeos e de Programas especificadas anteriormente.

5913-8 Distribuição Cinematográfica, de Vídeo e de Programas de Televisão; com sua subclasse:
5913-8/00 Distribuição Cinematográfica, de Vídeo e de Programas de Televisão.

5914-6 Atividades de Exibição Cinematográfica; com sua subclasse:
5914-96/00 Atividades de Exibição Cinematográfica.

Divisão 60: Atividade de Rádio e de Televisão;

Grupo 602 – Atividades de Televisão, e na Classe 6021-7 Atividades de Televisão Aberta e nas Classes:
6022-5 Programadoras e Atividades Relacionadas à TV por Assinatura; com suas subclasses:
6022-5/01 Programadoras.

A partir do envio dos dados, os mesmos serão avaliados e a empresa receberá uma comunicação formal sobre a sua associação ou não ao APL Audiovisual.